Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

LER

Livros. Notícias. Rumores. Apontamentos.

Um poema de Maria Sousa

podemos cantar um canção os dois

a valsa da matilde do waits

a voz do vinagre onde o álcool se transforma

em som

algures no nosso oeste

cactos e bagaço

o blue valentine na kentucky avenue

uma lágrima numa longa

noite sem fim

porque esperamos?

não sei

juro que não sei sentada na berma

já tenho doses de noites a

mais

de esquinas e portas

de adeus em adeus

elas não suportam a separação

não choram mais porque secaram

i never talk to strangers

o som da cidade

fica restabelecido e já não tenho horas

o relógio parou

e eu faço um gesto obsceno

e desapareço

 

Maria Sousa, in Postais Tristes, ed. Do Lado Esquerdo  

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.