Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LER

Livros. Notícias. Rumores. Apontamentos.

Manuel Jorge Marmelo: Prémio Correntes d’Escrita 2014

  

Manuel Jorge Marmelo é o Prémio Correntes d’Escrita - Casino da Póvoa 2014, com o romance Uma Mentira Mil Vezes Repetida (Quetzal); o júri, constituído por Isabel Pires de Lima, Carlos Quiroga, Patrícia Reis, Pedro Teixeira Neves e Sara Figueiredo Costa, selecionou 15 finalistas de entre cerca de 150 concorrentes iniciais.

Entre os finalistas anunciados no passado dia 13 de Janeiro estavam autores e livros como A Instalação do Medo, de Rui Zink (Teodolito), A Luz é Mais Antiga que o Amor, de Ricardo Menéndez Salmón (Assírio & Alvim), A Sul. O Sombreiro, de Pepetela (Dom Quixote), A Vida no Céu, de José Eduardo Agualusa (Quetzal), Caligrafia dos Sonhos, de Juan Marsé (Dom Quixote), Dentro de Ti Ver o Mar, de Inês Pedrosa (Dom Quixote), O Filho de Mil Homens, de Valter Hugo Mãe (Alfaguara), ou Pai, Levanta-te, Vem Fazer-me um Fato de Canela, de Manuel da Silva Ramos (A.23 Edições). 

Grande Prémio APE/DGLB para Rui Cardoso Martins

Deixem Passar o Homem Invisível (Dom Quixote) acaba de conquistar o Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLB, no valor de 15 mil euros. A obra foi escolhida, entre 85 concorrentes, pela maioria dos membros do júri constituído por Luís Mourão, Luísa Mellid-Franco, Pedro Mexia, Serafina Martins, José Correia Tavares e Eugénio Lisboa, que se manifestou a favor de O Chão dos Pardais, de Dulce Maria Cardoso (Asa).

Fotografia de Pedro Loureiro.

Prémio de Literatura Casa da América Latina/Banif para Hector Abad Faciolince

Pelo livro Somos o Esquecimento que Seremos (Quetzal). «Uma obra portadora de uma escrita pessoal que implica, ao mesmo tempo, uma dimensão humana inalienável» - considerou o júri constituído por Maria Fernanda de Abreu (da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa), Fernando Pinto do Amaral (da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), José Manuel de Vasconcelos (em representação da Associação Portuguesa de Escritores) e Mário Quartin Graça (em representação da Casa da América Latina) - que «reconstitui a atmosfera de uma família colombiana da segunda metade do século XX, contada a partir do ponto de vista do menino, do adolescente e do jovem que o escritor adulto recupera, guiado pela ausência dolorosa do pai assassinado – personagem tutelar de toda a obra.»