Quinta-feira, 6 de Março de 2014
Entrevista: Teresa Calçada
06 Março, 2014

 

 © Fotografia de Pedro Loureiro

 

Deixou o trabalho do dia a dia ou, como ela diz, deixou de ter patrão, mas a ideia de fazer leitores não ficou para trás. Por isso é Voluntária de Leitura, e precisamente na escola onde aprendeu a ler e a escrever. A fabulosa energia de Teresa Calçada, a curiosidade extrema e o prazer de pensar numa conversa que podia nunca mais acabar.

 

Entrevista de Ana Sousa Dias

 

Como faz essas leituras? Leva livros de casa? 

Umas vezes levo os meus livros de miúda, algumas histórias de que gostei, ou que eu tenho ainda presente o sentimento de as ter lido. Livros que aparecem, que me apetece levar, ou livros da biblioteca da escola. Levei várias vezes a escolas o meu primeiro dicionário, que o meu pai que me deu quando eu andava na primária e até tem a dedicatória dele. Um livro que ele achava que devíamos ter. Isso pode ser pretexto para representar à miudagem o valor dos dicionários. Ele também me deu “Os Lusíadas” e claro que não vou levar este livro para alunos do 2.º ano, mas quando penso nisso ocorre-me levar “Os Lusíadas para gente nova” do Vasco Graça Moura, um livro ótimo como só um grande conhecedor de Camões pode fazer. Enfim, são pretextos sobre pretextos.

É um mundo infindável?

Sim, e podemos abordá-lo de várias maneiras. Basta ter um pretexto, depois os miúdos interessam-se. A promoção da leitura não tem de ser sempre com literatura de ficção, alguns miúdos gostam mais de ciência ou de outro tema. Uma vez fui a uma sessão da Fábrica da Ciência [de Aveiro] que é estupenda em matéria de trabalho com os miúdos. A Rede de Bibliotecas Escolares tem uma experiência fantástica com eles, têm até uma parceria.

Aquilo ocorria num hotel e era um pequeno-almoço. Eles comiam o que queriam e falávamos de livros. Eu levava um conjunto de livros, de ciência, de ficção, de filosofia. Gosto muito de falar de filosofia para crianças, é um tema que cria muitas empatias. Gerou-se uma conversa com os miúdos, e via-se os interesses deles, comparava-se, uma discussão à volta de livros com canalha miúda, no meio de um pequeno-almoço importantíssimo, imagine-se, num hotel. Na conversa, percebemos quais são os temas que os interessam mais. Muitas crianças trazem um currículo oculto mais vasto que outras, por razões de família. O currículo oculto é muito importante, é por isso que a escola e as bibliotecas têm um papel nessa inclusão.

Como se revela esse currículo oculto?

Tenho a experiência de voluntária de leitura numa biblioteca de aldeia e basta conhecer a a história dos miúdos, das famílias, da própria aldeia, olho para eles e sei que vocabulário trazem. É um ecossistema. E o léxico de cada um faz a diferença na capacidade de leitor. Não é nenhum anátema, a escola pode bem, e deve, ultrapassar isso. É um grande desafio para a escola e para as bibliotecas. É na prática com as palavras, a brincar com elas, a saber usá-las, que percebemos as nuances. Podemos usar a literatura científica ou artística ou do desporto – por que não? Há miúdos que tendem para uma literatura e outros para outra. Eles trazem preferências muitas vezes marcadas pelos gostos dos pais, uns gostam de carros ou de motos, porque o pai tem, por exemplo, ou de surf, porque o pai faz. Mas é possível fazê-los ganhar outra lógica de interesses.

 

[Entrevista na LER de Março]

publicado por Ler às 23:56
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Posts recentes

Autores em Belmonte

Finalistas do PEN: os dez...

Invadir a Rússia — atravé...

Podcast global

Sofia Monteiro: já é ofic...

Finalistas do Goncurt: a ...

Capas de livros que não s...

Fotografias exemplares, 5...

Capas de livros que não s...

França: a taxa sobre tint...

Assinaturas
Faça já a sua assinatura aqui.

Contacto

Notícias, rumores, invenções e impropérios para ler@circuloleitores.pt

Pesquisar
 
Lido e publicado

1. Os 50 autores mais influentes do século XX.
2. Dez cidades para visitar com livros debaixo do braço.
3. Charles Darwin, 200 anos depois.
4. «O Magalhães é o maior assassino da leitura em Portugal.»
5. Última entrevista de António Barahona.
6. Inéditos de Fernando Pessoa.
7. John Milton por João Pereira Coutinho.
8. «O meu mal é ter uma curiosidade de puta.»
9. Entrevista Luis Sepúlveda.
10. «Já quase pareço um escritor.»
11. Entrevista Eduardo Lourenço.
12. Breve Introdução à Teoria Literária.
13. Agustina, a indomável.
14. Trinta livros do PNL.
15. Entrevista A. M. Pires Cabral.
16. Dinis Machado: «Só quis escrever um livro».
17. Retratos de um Nobel.
18. Os últimos e-mails de Stieg Larsson.
19. Os 200 anos de Edgar Allan Poe.
20. Knoxville, o território de McCarthy.
21. O bibliotecário ambulante.
22. Dez escritores europeus que (já) mereciam ser traduzidos em Portugal.
23. Entrevista Mia Couto.
24. Entrevista Vasco Pulido Valente.
25. Inéditos Vinicius de Moraes.
26. Os heterónimos de Eduardo Lourenço

Ligações
Arquivo

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

blogs SAPO
Subscrever feeds