Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LER

Livros. Notícias. Rumores. Apontamentos.

Sophia inédita em exclusivo na LER. Hoje e amanhã nas bancas!

 

Esta casa desmesurada, cheia de gente mas também cheia de lugares vazios e quartos desabitados e fechados, cheia de vozes, silêncios, ressonâncias, mistérios, medos e encantações e assombros, aparece, assim como o jardim, o parque, o pinhal e a quinta, em muitos dos poemas e contos que ao longo dos anos escrevi. É a casa de Hans do conto «Saga», o jardim do Rapaz de Bronze. E, múltipla, a casa é também «um dos palácios do Minotauro» de que falo num dos meus poemas. É igualmente esta a casa que o meu primo Ruben A. descreve no seu livro O Mundo à Minha Procura: uma ­ópti­ma descrição, tão exacta e veemente que poderá parecer ­inven­tada. Mas nunca nada é inventado.
Sophia
Excerto de um dos inéditos publicados na LER

 

VÍTOR SILVA TAVARES O EDITOR PARALELO

Já cá anda há muito: fez muitos livros, conheceu muita gente, foi amigo de muitos e desamigo de ainda mais. Gosta de pôr tudo em causa. Mesmo tudo. Aos 75 anos, reclama para si o direito a escolher os seus «albaneses», ódios de estimação determinados não apenas pelo sentido de justiça, como reconhece, deixando transparecer um certo gosto antigo pelo «terrorismo cultural». Faz em janeiro quatro décadas que deu início à aventura chamada &etc. Começou por ser um magazine e transformou-se na editora que se recusa a ceder ao mercado: nunca reimprimiu um livro, nunca ninguém ali ganhou um tostão. O editor que não quer que lhe chamem editor garante, no entanto, que não vai comemorar nada. Ele, com aquela figura de duplo de César Monteiro, descendo todos os dias ao «subterrâneo 3» da Rua da Emenda, ao Bairro Alto, continua a preferir dar sentido à máxima do amigo: «Vai e dá-lhes trabalho.»

***
SOPHIA MEMÓRIAS INÉDITAS

Da intenção inicial de escrever as suas memórias ficaram fragmentos inéditos como os que publicamos nesta edição: desde as casas de infância e juventude retratadas em poemas e contos, aos dias passados nas ruas do Porto, «cidade onde sonhou as cidades distantes», e à aventura de automóvel entre o Rio de Janeiro e Brasília, durante a primeira viagem ao Brasil. Somam-se outros originais, como a carta escrita por Sophia a Eduardo Lourenço (há 35 anos) onde garantia que «a poesia faz parte da história da vida e não da história da literatura», ou a sequência fotográfica só agora revelada por Luísa Ferreira. Num momento que a sua prosa é novamente editada, e o espólio continua a ser tratado na Biblioteca Nacional, regressamos à autora de Dia do Mar com a ajuda imprescindível de Maria Andresen.

 

***


JOSÉ LUÍS PEIXOTO O QUE FAÇO EU AQUI?
Pergunta a meio de uma viagem de 15 dias ao país onde tudo parece ficção. O escritor fez parte de um exclusivo grupo turístico que entrou na Coreia do Norte a pretexto das comemorações do centenário do nascimento de Kim Il-sung. «Testemunha alucinada», regressou com histórias (e fotografias) para o livro Dentro do Segredo
***
DAVID FOSTER WALLACE CERTIFICADO DE REABILITAÇÃO
Uma década após ser editado, Infinite Jest (1996) conseguia entrar na lista da Time dos 100 melhores romances de língua inglesa publicados desde 1923. Agora, a tradução da obra maior (e inclassificável) deste escritor norte-americano chega finalmente às livrarias portuguesas. «Quer a ouçamos ou não até ao fim, essa é uma promessa que A Piada Infinita cumpre: mostrar-nos os nossos limites.» Rogério Casanova leu as mais de mil páginas e troca algumas impressões sobre o assunto. 
***
PHILIP ROTH «NÃO QUERO ESCREVER MAIS FICÇÃO»
Quando se trata da fazer o balanço da sua carreira, cita o pugilista Joe Louis: «Fiz o melhor que pude com aquilo que tinha». Aos 79 anos, o romancista norte-americano coloca um estridente ponto final na página em branco, preferindo trabalhar nos arquivos com Blake Bailey. «Não quero escrever as memórias, mas quis que o meu biógrafo tivesse material para o livro antes de eu morrer.» Vencedor do Prémio Príncipe das Astúrias de Letras 2012, diz ter perdido a «energia» e as «forças» para se confrontar com a frustração. «Escrever é errar o tempo todo.» Por isso, não lhe falem em mais livros. Nemésis será o seu último. Será? Segue-se a entrevista mais falada do momento. 
***
GEORGE STEINER O ESTILO E A SUBSTÂNCIA
A Poesia do Pensamento talvez seja a obra magna deste mestre europeu, que percorre dois milénios da cultura ocidental à procura das ligações entre a filosofia e a linguagem poética e literária. Súmula de 50 anos de trabalho analítico e crítico.

Festival LER: bilheteira aberta!

Os bilhetes para os 24 filmes (a antestreia de Pela Estrada Fora não tem bilheteira, mas há passatempos para o filme), e os três concertos do Festival LER estão desde hoje à venda no Cinema São Jorge:

Filmes - 3,5 euros cada (3 euros para pessoas com mais de 65 anos e menos de 25)

Concerto Os Quais, com Jacinto Lucas Pires, 7 dezembro, 21h30, sala Montepio - 7,5 euros

Concerto The Soaked Lamb, com Afonso Cruz, 8 dezembro, 21h30, sala Montepio - 7,5 euros

Concerto Noiserv, 8 dezembro, 22h20, sala Manoel de Oliveira - 10 euros

Passatempo Festival LER: 40 convites duplos

 

Temos 40 convites duplos para oferecer para a antestreia do filme Pela Estrada Fora, dia 4, a partir das 21h, no Cinema São Jorge. O passatempo é simples – só precisa de ter a última edição da LER. Pergunta: Que escritor(a) confessa que aos 14 anos «escrevia à Corín Tellado»? As respostas devem ser enviadas para o e-mail ler@circuloleitores.pt juntamente com nome, morada e número de telemóvel.

Pág. 1/3