Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LER

Livros. Notícias. Rumores. Apontamentos.

«Dessacralizar o António»

«É preciso que o leitor saiba dessacralizar o António, respeitá-lo mas não se deixar intimidar, porque há sempre uma frase que o sensibiliza. Mesmo as suas frases mais populares são muito interessantes! Digo sempre às pessoas que ainda não o leram para experimentarem as Cartas da Guerra, que é o making-of de António como escritor. Está lá tudo, a tomada de consciência política, a compreensão da guerra e a correspondência de amor, e, mesmo não sendo um livro como os outros, mostra o que ele vai ser a seguir.» Entrevista a Dominique Bourgois, editora francesa de António Lobo Antunes, presente ontem, em Lisboa, na conferência de imprensa que divulgou a temporada de teatro parisiense dedicada ao autor de Os Cus de Judas.

BiblioHistória

O jornalista e escritor Pedro Almeida Vieira acaba de criar uma base de dados sobre o romance histórico português, com o apoio do Grupo Porto Editora. Até agora estão inventariados cerca de 320 autores e mais de 750 obras. «Na biblioHistória apresenta-se uma breve biografia genérica de cada escritor, mas apenas destacando, para consulta, informação relativa às suas obras de ficção histórica. Em cada romance histórico existe uma pequena ficha bibliográfica, incluindo uma sinopse, o(s) primeiro(s) parágrafo(s) e, sempre que possível, informação complementar, designadamente prémios recebidos, recensões ou curiosidades.»

Temporada de Lobo Antunes em França apresentada hoje

«É a maior homenagem de sempre feita em França a um escritor português vivo.» Patrick Sommier, director da MC93, e Dominique Bourgois, editora dos livros de António Lobo Antunes em França, apresentam hoje, às 11h00, no Terraço do Bairro Alto Hotel, em Lisboa, o programa de espectáculos teatrais de 2011 dedicados ao autor de O Manual dos Inquisidores, também presente na conferência de imprensa.

Roth e o romance a publicar em Outubro

«Pensei em Nemesis como a conclusão de um ciclo de romances curtos. E os chamo de nêmeses, no plural. Eles começam com Homem Comum, em que a nêmese é a doença e a morte - mortalidade. Em Indignação, a nêmese é a indignação e a guerra. No terceiro, A Humilhação, a nêmese é a circunstância fora de controle que aflige o protagonista. E no romance final é a epidemia de pólio em 1944.» Entrevista de Philip Roth ao Estadão. Nemesis será publicado pela Houghton Mifflin Harcourt em Outubro.

Pág. 3/3