Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

LER

Livros. Notícias. Rumores. Apontamentos.

Prémio Leya: 422 originais

Quatrocentos e vinte e dois originais de ficção concorreram à primeira edição do Prémio LeYa (no valor de cem mil euros), cujo prazo de entrega terminou na terça-feira. O anúncio do vencedor será feito durante a Feira do Livro de Frankfurt, que se realiza de 15 a 19 de Outubro. Recorde-se que o júri é composto por Manuel Alegre, Nuno Júdice, José Carlos Seabra Pereira, Rita Chaves, Lourenço do Rosário (Moçambique), Carlos Heitor Cony (Brasil) e Pepetela (Angola).

Bertelsmann mantém Portugal

 

Depois de alienar os negócios de clube do livro dos EUA e Canadá através do Direct Group North America (que incluía o BMG Music Service, Columbia House DVD, BOMC2.com, Doubleday Book Club, ou Book of the Month Club) à companhia de investimentos Najafi Cos., a Bertelsmann decidiu abandonar até ao final deste mês, na China, quer a cadeia de livrarias Beijing 21st Century Book quer o seu clube do livro, embora tenha anunciado a intenção de manter outras áreas de negócio. De igual modo, foi decidido abandonar as actividades na Coreia e na América Latina.

Hoje foram anunciados os planos da Bertelsmann (que inclui, para além do Direct Group, a BMG, Grünner & Jahr, RTL Group, Arvato e Random House Group) para a sua divisão europeia, e que incluem a venda das filiais do Direct Group na Inglaterra, Rússia, Holanda (incluindo a área belga de língua flamenga), República Checa, Rússia, Eslováquia, Ucrânia e  Polónia, bem como da Austrália e da Nova Zelândia.

Ao mesmo tempo, Hartmut Ostrowski, presidente do grupo multinacional alemão, anunciou a intenção de se concentrar e investir na área do livro na Europa, através dos seus negócios na Alemanha, França, Bélgica, Itália, Portugal e Espanha.

Em Portugal, a companhia é proprietária, entre outras, do Círculo de Leitores, das editoras Bertrand, Temas & Debates, Quetzal, grupo Pergaminho, além da cadeia de livrarias Bertrand e da Distribuidora de Livros Bertrand. O grupo Arvato opera em Portugal através da Printer Portuguesa. A revista LER é publicada pela Fundação Círculo de Leitores.

Laurentino Gomes premiado

O jornalista brasileiro Laurentino Gomes recebe, depois de amanhã, no Rio de Janeiro, o prémio Ensaio, Crítica e História Literária da Academia Brasileira de Letras, atribuído ao livro 1808, editado em Portugal pela Livros d'Hoje. Esta história da fuga da família real portuguesa para o Rio de Janeiro, que ocorreu há 200 anos e foi investigada durante uma década por Laurentino Gomes, já vendeu 320 mil exemplares, divididos por sete edições.

Bronislaw Geremek (1932-2008)

Historiador da época medieval, figura da oposição ao regime comunista polaco e actual deputado europeu, Bronislaw Geremek morreu ontem, aos 76 anos, vítima de acidente de automóvel. Em 1993, a Asa publicou Paixões Comuns, livro que nasce de um diálogo entre Geremek e o historiador francês Georges Duby (1919-1996) sobre temas tão variados como a Idade Média, a Europa, o catolicismo social ou o marxismo. 

 

Também de Geremek, a Terramar editou A Piedade e a Forca - História da Miséria e da Caridade na Europa (1995).

Livros de Cohen

Na semana em que Leonard Cohen sobe ao palco em Algés (19 Julho), a Quasi publica O Livro do Desejo, o mais recente título de poemas do artista canadiano. A Guerra & Paz também acaba de editar Leonard Cohen - O Eterno Regresso, de Marc Hendrickx.


Texto de Nuno Galopim, hoje no Diário de Notícias.

Saramago para Lisboa

 

A Fundação José Saramago – deve ser anunciado durante esta semana pelo escritor e pela Câmara Municipal de Lisboa – poderá mudar-se para a capital portuguesa de armas e bagagens, com todo o seu espólio. A Fundação, dirigida por Pilar Del Rio, irá ficar instalada na Casa dos Bicos, onde actualmente funciona a Direcção Municipal de Cultura e já esteve a Comissão Nacional dos Descobrimentos. A proposta foi feita pessoalmente pelo presidente da Câmara de Lisboa, António Costa.

Mia Couto elogiado no The Independent

Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra (Caminho, 2002), romance de Mia Couto, editado este mês em Inglaterra pela Serpent's Tail (A River Called Time), merece elogios no The Independent de hoje. «It shares, with the best fiction, mystery and revelation. A River Called Time transports the reader to an island in which past, present and future co-exist, and the dead retain a vociferous presence», escreve Amanda Hopkinson.